top of page

Ser√° que a sua empresa precisa de um talento ou de um profissional competente? ūü§Ē

Atualizado: 4 de abr.

Para pensar sobre isso, vamos √†s defini√ß√Ķes desses termos.



Talento: substantivo com origem no latim ‚Äútalentum‚ÄĚ e do grego ‚Äút√°lanton‚ÄĚ que significa ‚Äúaptid√£o incomum que, natural ou adquirida, leva algu√©m a fazer alguma coisa com maestria; habilidade ou capacidade incomuns‚ÄĚ.

O termo também tem como referência uma medida de peso de moeda de ouro ou prata usada pelos antigos grego. Na prática, essa medida equivale a cerca de 26 kg.

Podemos considerar também sua origem no Cristianismo, em referência à Parábola dos Talentos.

Resumindo: ‚ÄúAqueles que adquirem novos talentos, recebem mais talentos. Mas aqueles que n√£o adquirem outros talentos, perder√£o at√© aqueles que possu√≠am inicialmente‚ÄĚ.


Agora vamos para definição do que é um profissional.


O termo vem da palavra ‚Äúprofiss√£o‚ÄĚ que deriva do latim "professio,onis", com o sentido de a√ß√£o de professar, de ensinar.


√Č aquele que pertence a uma profiss√£o, que se prepara para certos of√≠cios, que exerce determinada atividade como meio de vida ou para ganhar dinheiro ‚ÄĒ e n√£o de forma amadora ou desinteressada.


Também é o profissional aquele que desempenha o seu trabalho de um modo digno, com seriedade, rigor, competência e que revela profissionalismo.


O que fica para mim é uma diferença: a pessoa pode nascer com um talento e o profissional é aquele que se prepara para uma função, algo bem ligado ao trabalho.


Porém, uma coisa não precisa excluir a outra, certo?


Posso ter um talento para tocar piano e ser um profissional da área de finanças, exercendo ambos com qualidade. 


Nesse caso, a ideia é tocar piano como algo mais natural e me dedicar mais para ser um profissional de finanças, concorda?


Inclusive, vale lembrar que o termo ‚Äútalento‚ÄĚ come√ßou a ser usado aplicado aos profissionais no final dos anos 1990 e come√ßo dos anos 2000.


Essa utilização surgiu por uma mudança de visão das empresas, que quiseram dar maior visibilidade e diferenciar os profissionais que se destacavam de alguma forma no ambiente corporativo.


Porém, acredito ser essencial explorar as diferenças dos termos ao considerar a contratação. Por exemplo: recentemente, conversei com um gestor sobre o perfil que ele precisava para a contratação.


O discurso √© que ele precisava de um talento, de ‚Äúuma pessoa criativa, proativa, com autogest√£o, comprometida e foco em resultado‚ÄĚ.


Porém, avaliei a vaga e notei que ela era muito operacional. A pessoa não teria espaço para criar e, devido à centralização, alguém criativo e independente ficaria desmotivado ou seria demitido.


Uma consultoria de RH pode ajudar exatamente nesse ponto, orientando a busca pela pessoa certa para cada vaga, de acordo com a forma de trabalhar e com os resultados esperados.


Diante disso tudo, retomo à reflexão: será que sua empresa precisa de um talento ou de um profissional?


Vamos conversar sobre o tema!




35 visualiza√ß√Ķes0 coment√°rio

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page